5 de abr de 2014

Teenage Dream - 3





Blaire’s P.O.V

Ela me ajudou a levar algumas malas até sua casa, e como falei, é apenas do lado da minha. Ela tocou a campainha e suponho que a mãe dela atendeu, e arregalou os olhos ao me ver.



- Quem é essa garota Ammy?

- É a Blaire mamãe, uma amiga minha.

- Prazer Blaire, entrem meninas.

- O prazer é meu, e obrigada.

- Então, porque ela está com todas essas malas?

- A mãe dela à abandonou por estar falando comigo.

- Sua mãe não gosta que faça amizades?

- Ela não quer que eu faça amizades com ninguém que ela não conheça.

- Você tem lugar fixo para morar?

- Não, eu ainda sou de menor.

- Você pode ficar morando aqui, enquanto eu tento conseguir sua guarda, o que acha?

- Sério? – Sorri e ela assentiu. Obrigada.

- Não foi nada Blaire.

- Viu Blaire? Foi mais fácil que pensávamos.

- Gostei da sua mãe, senhora?

- Ane.

- Obrigada mesmo Ane!

- Não precisa agradecer. – Sorri e Ammy subiu as escadas comigo

- Seu quarto vai ser ao lado do meu, pode ser?

- Claro que pode.



Rimos e ela me mostrou um quarto lindo (link), é bem a minha cara, uma coisa simples e bem organizada, e ainda é suíte. Coloquei minhas malas no chão para tirarmos as roupas.



- Você tem muita roupa.

- Meus pais costumavam comprar, e algumas eu ganhava.

- Ah, eu amei esse shorts. – Me mostrou um roxo com azul

- Eu também amo, são minhas cores favoritas. (Até na vida real *-*)

- Eu gosto de vermelho e preto.

- São cores muito fortes.

- E você é muito fresca. – Cruzei os braços

- Ué, estou falando verdades, Blaire!

- Quê? Eu não sou fresca.

- Ah não?

- Não, se eu fosse, gostaria de rosa.

- Nesse caso eu vou ter que concordar com você.

- Iha!

- E o gato? Quero conhecer meu cunhado.

- Cunhado?
- Sim, você é como um irmã para mim Blaire.

- Sério? Sempre quis ter uma irmã.

- Bom, agora você tem malandrinha, e eu também. – Rimos



Desde que eu nasci, eu chorei, é normal de toda bebê. Mais eu não chorava por fome, falta de mãe ou essas coisas, eu queria ter outras de mim, uma irmã, uma pessoa que sempre estivesse comigo. Uma das únicas pessoas que te entendem são suas irmãs, apesar delas serem super irritantes, mas, afinal, nos irritar é o dever de cada irmã, não é mesmo? E sem elas não vivemos, nem somos nada. (Eu concordo kkkkk ‘-‘)



- Blaire, eu vou chamar o Tales para ficar com a gente.

- Sua mãe deixa?

- Ela o conhece, então relaxa e fica tranquila. – Assenti



Vi ela pegar seu telefone para ligar pro Tales, e chama-lo para ficar aqui conosco. Enquanto ela conversava com ele, eu arrumava minha mala e ficava pensando se o que estou fazendo é certo. Eu faço o que quiser da minha vida, tá que eu sempre fui muito obediente, principalmente com meus pais, mais todo adolescente passa pela mesma fase que eu, e acaba fazendo besteiras. E eu, como sempre quis ter amigos, não posso desistir disso por uma simples bobagem que fiz, e ainda mais sem saber como acabou acontecendo.



- Ele chega em cinco minutos.

- Ok. – Falei e sorri torto

- Porque está tensa?

- Eu não estou tensa, só tenho medo do Justin me achar.

- Porque medo dele te achar?

- Sei lá, vai que ele faz aquilo de novo?

- Claro que não vai fazer, ele deve ter namorada, como você disse.

- Ele mora aqui do lado, já falei isso para você.

- Aqui do lado? Não tinha escutado direito, vamos lá!

- Tá louca Ammy?

- Não, eu só quero ver se ele é um cara-de-pau mesmo.

- Ah, como você disse, os homens de hoje em dia são uns idiotas.

- Tá aprendendo muito rápido mocinha.

- Você que me ensinou.



Sorriu vitoriosa e logo ouvimos a campainha tocar, ela disse que iria descer e iria atende-lo, então eu resolvi ficar por aqui mesmo. Logo eles subiram, e eu percebia a felicidade da Ammy, quando estava perto do Tales, eu acho que eles são apaixonados um pelo outro, é o que parece. São fofos juntos.



- E aí Blaire?

- Oi Tales, tudo bem?

- Tudo, e com você?



Eu queria e não queria falar, porque eu estou muito mal com isso, mais é o Tales, o meu melhor amigo, e eu tenho o dever de falar para ele não é? Não posso esconder nada de meus amigos.



- Tudo péssimo.. – Sentei-me na cama

- Ué, mais por quê?

- Fui expulsa de casa, por não ser uma garota virgem.

- Sério isso?

- Sim Tales, os pais dela disseram que se ela não se afastasse de nós, iria embora de casa.

- E ela resolveu ser uma boa amiga e ficar conosco?

- Eu fiz isso sim, vocês são meus primeiros amigos. – Eles me abraçaram

- Vou chorar.

- E eu que ou a fresca não é Ammy?

- Shiu! – Rimos

Ficamos a tarde toda conversando, já estava ficando tarde e eu estava morrendo de fome, até que a Ane nos chamou e eu falei baixo, um aleluia, o que arrancou risada dos dois.



- Graças a Deus. – Disse Tales



Descemos as escadas e sentamos na mesa, enchemos nossos pratos e logo fomos comendo, eu estava terminando, quando ouvimos a campainha tocar, estavam todos concentrados.



- Deixem que eu atendo. – Eles assentiram



Levantei-me da cadeira com cuidado, para não atrapalhar eles, saí da cozinha e caminhei até a porta, segurando a maçaneta e girando-a, fazendo com que a porta se abrisse, e eu desse de cara com o Justin.



- O que você está fazendo aqui? – Perguntei

- Blaire? Vim trazer lasanha para a Ane, que bom que te achei.

- Deixa que eu entrego á ela.



Peguei um pote de suas mãos e fui até a cozinha entregar para Ane, dizendo que o vizinho Justin mandou, Ammy arregalou os olhos e olhou para mim, enquanto sua mãe agradecia.



- Justin?

- É..

- Bom, eu vou lá falar com ele. – Disse e voltei para a porta

- Preciso conversar com você.

- Sobre?
- Blaire, me desculpe por aquela noite, não queria te machucar.

- Você se aproveitou de mim, me espionou para saber se eu era ingênua?

- Desculpe Blaire, eu não queria..

- Cala a boca, você queria sim! Transou comigo Justin, sem camisinha.



Vi ele arregalar os olhos e me puxar para fora de casa, fechei a porta e fomos para a calçada, sentando na mesma. Não sei o que tem de errado nesse garoto.



- Como você aprendeu isso?

- Não é da sua conta.

- E é da conta de sua amiga e de seus pais, saberem que nós transamos?

- Como sabe disso?

- Eles foram lá em casa contar que te expulsaram.

- Falaram o motivo? – Perguntei indignada com meus pais

- Falaram, e eu estou decepcionado.

- Ué, por quê?

- Blaire, você prometeu que não iria contar.

- Eu não sou tão inocente quando você imagina, ou pensa.

- Eu pensei que você era diferente.

- Pensou errado, eu faço tudo do jeito que eu quero.

- Blaire! Onde está sua cabeça?

- Justin, EU NÃO SOU MAIS UMA CRIANÇA!

- Disso eu sei, mais eu preferia você como uma.

- Só me deixa ser feliz.

- Não estou te impedindo, quer transar com qualquer um? Vai lá na paz.

- Cala a boca e deixa de ser idiota.

- Ah, agora o idiota sou eu?
- Idiota sim, você traiu sua mulher!

- Mulher? Como você sabe que eu tenho mulher?

- Hoje cedo eu fui entregar bolo na sua casa, e ela me recebeu, muito bonita.

- Não se mete com ela.

- Eu estou pensando seriamente em contar, o que seu namorado não contou que fez.

- Você não vai contar pra ela, você não está nem louca.

- Quer apostar?

- Você não faria isso, não comigo.

- Não fique pensando assim Justin.

- Vai lá e diz, do jeito que ela é ciumenta, vai sobrar para você.

- Tá querendo me pôr medo.

- Entenda como quiser, eu só quero seu bem, adeus.



Respirou fundo e se retirou, suspirei pesado e deixei uma lágrima cair. Se você quer meu bem, porque tirou minha virgindade de mim? Eu estava muito bem inocente. Entrei em casa e Ammy e Tales vieram me abraçar.



- Não chora amiga, ele é só mais um idiota.

- Eu sei Ammy, o problema é que esse idiota mexe comigo.

- Não fica assim Blaire, não deixa ele fazer isso com você.

- Tarde demais.

- Ei princesa, levanta a cabeça senão a coroa caí.

- Ah Tales e Ammy, obrigada pela preocupação, mas, eu queria ficar sozinha.

- Tudo bem.



Assenti e subi as escadas, entrando no meu quarto e trancando o mesmo, me joguei na cama e comecei a chorar, deveria eu ter tomado cuidado e não ter conversado com estranhos, como diz a mamãe.



- Eu sou uma idiota.



Bati no travesseiro com força, e me levantei da cama, indo para o banheiro e pegando uma gilete, quebrando a mesma e tirando sua lâmina, faço isso ou não? Não, eu não posso fazer isso por quem não me merece, ele é só mais um idiota, como diz a Ammy. Guardei a lâmina e voltei para o quarto, olhei para uma janela grande..



- Eu vou pular.



Pulei de lá e caí no gramado sem fazer muito barulho, saí de casa e fui andando pelas ruas, procurando por aquele tubos de cigarro, ou melhor dizendo, charuto, alguém fumando uns.



- Ei cara?

- Hum, o que uma gatinha como você faz por aqui?

- Você tem mais desses?

- Charuto eu tenho de sobra, quer um?

- Vou querer cinco.

- Pra você eu dou seis, de graça.

- Obrigada. – Peguei de suas mãos e voltei para casa, pela janela



Sentei na cama e acendi meu charuto, colocando-o entre os dedos e encostando o mesmo na minha boca, dei algumas tragadas e apaguei seu fogo, jogando-o na rua, pela janela.



- Blaire, abre essa porta!

- Só um minuto. – Escondi os charutos e abri a porta

- Seus pais estão aqui.

- O que eles estão fazendo aqui Ammy?

- Não sei, se eles já contaram para o Justin, vão contar pra sua mãe.

- Ai meu Deus, o que vamos fazer em?

- Eu também não sei, vamos pra casa do Tales.

- Ele já foi embora? Já está muito tarde.

- Já está indo embora, mandei uma mensagem dizendo pra nos esperar.

- Ok, vamos.



Peguei os charutos escondidos dela e saímos pela janela do meu quarto, ela disse que sou louca, mais tá certo, andamos um pouco até a esquina, que é onde Tales estava nos esperando e logo acompanhamos ele até sua casa, o que não demorou muito, mais é um pouco longe, melhor que entrar em contato com meus pais.



- Vocês querem ficar aqui mesmo?

- Qual o problema? Não quero ficar com meus pais.

- É, ok. Não reparem na bagunça.

2 comentários:

  1. Tuts tuts, continua.. acho qe ja li essa msm IB em algum outro blogger qe nao me lembro o nome.. e nem lembro qm postou, mas msm assim continuee

    ResponderExcluir